sexta-feira, 3 de abril de 2009

Breves Esperanças

Resistir é fútil.

Uma hora você também vai acabar sendo assim como nós, no começo é realmente difícil, você ainda lembrará de todas aquelas noites. Das noites em que o absurdo visitava sua mente e levava seu inconsciente a uma viagem sem sentido, e que apesar disso, eram os momentos mais livres de sua vida.

Mas também existem fatores positivos, veja bem, a falta daquela liberdade, impedirá que na manhã seguinte você sinta as correntes apertarem seus punhos, você pode não acreditar, mas quando você se libertar dessa liberdade, aí sim você entrará definitivamente no que é a vida, verdadeira apesar de cruel.

Eu sei que não parece nada bom, acredite, eu não gostaria que fosse assim, eu daria qualquer coisa para ter de volta tudo aquilo, mesmo quando você nem lembrava direito da última noite, mesmo quando tudo era tão difuso, e por mais que você se forçasse a lembrar nada restava, nenhuma lembrança, apenas uma sensação, uma estranha tristeza, um pesar por estar de volta nesse mundo, e ainda sentir uma veia de liberdade pulsando em seu corpo. Não ache também que eu não lutei por eles, mas uma hora você não agüenta mais, uma hora as correntes começam a perfurar sua pele, e não te deixam mais dormir, chega à hora em que o seu suor já é sangue, e a sua cruz pessoal pesa em suas costas, nessa hora tudo se torna realmente mais difícil, e por mais que não eu queira desfazer-me deles, eles acabam criando um contraste agonizante com tudo que o realmente cerca.

Agora que eu toquei no assunto eu me lembro de quando eu ainda era capaz de lutar por eles, naquele tempo eu achava que nunca me entregaria, que encontraria a chave para abrir as minhas correntes, e aquele pensamento era tão confortante que parecia que eles me acompanhavam por todo o dia, e por mais que tudo fosse frio ao meu redor eles me aqueciam, acalentavam meu coração, e me punham suavemente em seu prazeroso consolo inconsciente.

Essa coisa e não se entregar jamais é algo realmente belo, especialmente quando você realmente é capaz de acreditar nisso, como eu já fui, hoje em dia eu não acredito mais, porém lembrar daquele tempo ainda me conforta um pouco.

Eu posso ver nos seus olhos um brilho que outrora já ouve nos meus, perdoe-me as lágrimas, mas é duro perceber no que eu me tornei, e mais duro é pensar que você também será como eu, mas eu já estou me sentindo culpado, estou tentando acabar com as suas esperanças, não é culpa minha, acredite, eu queria poder te dar mais esperanças, mas eu não possuo nenhuma mais para lhe dar.

Mas vá, me deixe falar sozinho, lute por você, eu acho que talvez ver o seu rosto jovem e imaculado me deixe um pouco mais feliz, talvez porque eu possa me ver e saber que já fui como você, se quiser um conselho, não se entregue, lute até o fim, mesmo sabendo que o fim já vai chegar, e se algum dia você encontrar as chaves que abrem as correntes ajude também quem estiver próximo a você, não peço nada para mim, mas se lembrares e puder me ajudar também, eu lhe seria realmente grato, não que eu acredite de verdade e vá esperar que você me traga a minha chave, mas olhar para você me da uma vontade de ir em busca da minha, afinal um olhar brilhante e jovem como o seu traz muitas lembranças, e também um breve facho de luz na minha escuridão pessoal, e acima de tudo, uma saudade, e uma vontade de ter meus sonhos de volta.

Um comentário:

Jaqueline disse...

Que bom que voltou a escrever! É importante para a alma! Bjo ;)